Acampamento abandonado perto de Kiev expõe horrores da invasão russa

Foto: CNN
Moradores da cidade de Hostomel relataram à CNN o sofrimento e a angústia de ter a guerra em seu quintal
Fonte: CNN
Por: Sandi SidhuPhil BlackDaria MarkinaVictoria Butenkovda
Categoria: Internacional

Dmitry Nekazakov estava passeando com seu cachorro antes de ir trabalhar quando o bombardeio russo começou em Hostomel, uma cidade nos arredores da capital, Kiev. O céu zunia com helicópteros voando baixo, dos quais as tropas russas saltaram, enquanto choviam foguetes.

Eram 6h40 da manhã de 24 de fevereiro, o primeiro dia da invasão russa da Ucrânia, e por quase um mês o bombardeio não parou. Nekazakov disse que passou 20 dias sentado no chão em seu porão durante a noite. À luz fria do dia, ele e outros moradores de seu bairro surgiam para testemunhar os danos que haviam sido infligidos em suas casas e elaboravam planos para encontrar lugares mais seguros para se abrigar.

“Durante muito tempo, os projéteis estavam chegando – os foguetes estavam chegando”, disse ele.

Os mísseis e foguetes russos que dizimaram prédios, vidas e casas foram disparados de uma extensa base russa, escondida na floresta a cerca de 4 quilômetros de distância.
Agora, apenas os restos daquele extenso acampamento militar estão entre as árvores.

A reportagem  foi guiada pelo acampamento por forças especiais ucranianas que estão pegando pistas sobre quais podem ter sido os planos da Rússia para a capital entre os escombros.

No início da invasão, enquanto as tropas russas avançavam em direção a Kiev, as forças especiais ucranianas acreditam que seis mil fuzileiros navais montaram acampamento nesta floresta de pinheiros por um mês, sob chuva, neve e temperaturas que caíram para -12 graus Celsius. O local incluía um posto de comando principal e um quartel-general. Foi daqui e de um campo próximo que o exército russo lançou ataques a Kiev, Hostomel e a cidade de Bucha.

“Aqui eles tomaram uma decisão sobre a implantação de outras ações, sobre as direções da ofensiva, táticas de ação e assim por diante”, disse um oficial das forças especiais ucranianas , apontando para onde cada parte da operação estava localizada.

Enormes sulcos são visíveis onde as tropas dispararam mísseis graduados de um campo, localizado a quarenta quilômetros da capital. Na floresta, discos de mísseis graduados que foram lançados e caixas de munição espalham-se pelo chão nas posições de lançamento.

As forças russas construíram abrigos, postos de comando, armazenamento de munição e linhas de comunicação usando as árvores e a madeira da floresta.

Eles dormiam em fortificações subterrâneas, cobertas com madeira e caixas de madeira verde que uma vez continham vários lançadores de foguetes BM-21 grad e canhões. Fios pretos conectavam cada um dos abrigos na floresta para comunicação.

A floresta também estava repleta de recipientes de comida com a marca dos militares russos: um membro das forças especiais descobriu um bloco de notas encharcado deixado para trás, contendo instruções de uma missão anterior no Azerbaijão. Um manual de instruções de camuflagem e ocultação russo também foi encontrado no local, juntamente com roupas e sapatos.

Apontando para o tamanho do campo, um oficial disse : “Os russos lutam não em qualidade, mas em quantidade”.

“Eles não consideram os soldados como pessoas, para eles são bucha de canhão e consumíveis. As táticas do exército russo lembram, talvez, a Idade Média, quando não tomavam por habilidade, mas por quantidade”, acrescentou.

Restos de equipamento militar, roupas e fortificações não são as únicas coisas que os russos deixaram para trás.

Soldados russos invadiram bairros próximos, invadiram casas e aterrorizaram moradores com quem entraram em contato, de acordo com moradores locais e um padre.

A tortura, humilhação e covas rasas de pessoas mortas por aqueles na base agora assombram essas aldeias.

‘Fui espancado, mas estou vivo’

Vitaliy Chernysh, do vilarejo de Zdvyzhivka, nos arredores de Kiev, disse que estava pedalando por sua vila quando foi capturado pelas forças russas, que estavam “caçando nazistas“. Ele disse que o prenderam por quase 24 horas.

Chernysh se lembra de orar no que ele achava que seriam seus últimos minutos de vida. “Estava com os olhos vendados, mãos atadas e em volta de mim. Eles estavam atirando”, disse ele.

Chernysh disse que foi trancado em um galpão depois de ter sido forçado a caminhar por um campo minado. Ele disse que os soldados russos estavam ponderando se deveriam encharcá-lo com gasolina e ameaçaram levá-lo ao crematório. Os soldados atiraram ao redor de seu corpo enquanto ele estava amarrado, e constantemente perguntavam qual seria seu último desejo, ele conta. O homem relata ter sido deixado no galpão congelado por horas.

“Fui espancado nos braços e pernas, abaixo da cintura. Os hematomas permanecem”, disse ele. “Achei que minha perna estava quebrada, eu estava mancando. Mas estou vivo e bem, graças a Deus.”

Em seu jardim, destroços de foguetes ainda estão em seu gramado – outra lembrança diária de sua dolorosa provação e do próximo mês sob ocupação e ataque russos. Chernysh sobreviveu, mas outros moradores foram mortos depois de serem torturados por soldados que saíram de sua fortaleza na floresta.

Vasiliy Benca, um padre local em Zdvyzhivka, disse  que tropas, tanques e carros blindados russos convergiram para a vila e permaneceram lá por um mês. As pessoas estavam com medo de sair de seus porões, disse ele. Quando Benca o fez, ele disse que encontrou cinco homens cujos corpos haviam sido mutilados no jardim – e mais dois na floresta.

“Os russos pediram – ou me forçaram – a enterrar duas mulheres (adicionais) no cemitério”, disse Benca

Nekazakov, que fugiu quando os russos atacaram sua aldeia, agora voltou para sua casa em Hostomel. Ele se lembra de todos os corpos pelos quais passou quando saiu, disse ele, e lamenta não poder fazer nada a respeito.

Agora, disse ele, sente ódio pelo presidente russo, Vladimir Putin, e pelos soldados que devastaram sua cidade natal.

“Sinto apenas ódio. Não teríamos pensado em centenas de anos que isso poderia acontecer”, disse ele, olhando para os túmulos daqueles que morreram. “Não podemos perdoá-lo pelo resto de nossas vidas.”