Barraqueiros reclamam de organização do Arraial do Anauá

Foto: Reprodução
Um denunciante disse que “por conta da política”, o governador distribuiu barracas “a torto e a direito”, o que está causando prejuízo a eles
Por:
Categoria: Roraima

O arraial do Parque Anauá, promovido pelo Governo do Estado, voltou a ser motivo de reclamações. Desta vez, por parte dos barraqueiros.

A organização distribuiu cerca de 200 barracas rotativas e 20 fixas, que deviam ajudar os trabalhadores da gastronomia. Mas o que ocorre é exatamente o contrário.

Um destes empreendedores até mesmo compartilhou um texto, em uma rede social, indignado com a organização do evento. E ainda marcou a página do governo na publicação.

Ele disse que “por conta da política”, o governador distribuiu barracas “a torto e a direito”, e essa alta competitividade está causando prejuízo no bolso dos que foram na esperança de conseguir um dinheirinho a mais.

“Não temos público para quase 200 barracas. Muitos estão indo embora sem vender nada, fora o estrago de comidas”, reclamou o internauta.

Outro problema que ele relata é que, após às 16h30, os barraqueiros são proibidos de acessar o Parque Anauá pela entrada e precisam arriscar atolar seus veículos por um caminho alternativo que mais parece uma vicinal, como bem comparou o quadrilheiro Ricardo Bolacha anteriormente.

O animador da quadrilha junina “Filhos de Makunaima” fez um vídeo que mostra o percurso que a equipe da agremiação teve que passar. O caminho de paralelepípedo com buraco e lama que eles percorreram acabou danificando a ornamentação do grupo.

Mas essa não foi a única coisa que o Bolacha reclamou. Além de tudo isso, as quadrilhas juninas estão passando por uma humilhação diária.

O representante relatou que as apresentações das quadrilhas foram interrompidas e retomadas apenas ao final do show da atração nacional nesta última terça-feira (28).

Ou seja, eles tiveram que parar às 22h e só voltaram 01h. Uma falta de respeito com as famílias que foram prestigiar o que deveria ser o ponto principal das festividades de São João.

Mais um problema apontado por outro quadrilheiro foi o lixo acumulado no Parque Anauá, próximo ao local onde as quadrilhas guardam as ornamentações e que estava frustrando a experiência de visitantes e quadrilheiros.

Apesar de a imagem mostrar claramente o amontoado de sujeita nas dependências de onde ocorre o evento, o governo negou as acusações.

Vale lembrar que a responsabilidade de retirada do lixo é do organizador do evento e não da prefeitura.

Outra realidade

Por outro lado, a atração nacional Regis Danese, contratado para se apresentar no 1º dia do arraial, elogiou a limpeza da cidade que é de responsabilidade da Prefeitura de Boa Vista.

O cantor gospel disse durante o show que ficou surpreendido com a limpeza da capital. Ele fez questão de dar seu relato quando cantava na festa organizada pelo Governo de Roraima.

Diferentemente do que anda ocorrendo com frequência no Arraial do Anauá, o Boa Vista Junina, evento que é conhecido como “O Maior Arraial da Amazônia” não decepcionou a população.

Quem prestigiou a programação da festa promovida prefeitura da capital saiu de lá satisfeito. Adaptando o ditado popular, “não trate como Boa Vista Junina quem te trata como Arraial do Anauá”.