Caminhões paralisam em trecho alagado da BR-174, diz empresário

Foto: Folha BV
Superintendente do DNIT-RR declarou que, neste momento, a autarquia está mapeando e estudando os pontos da rodovia que passaram a registrar alagamentos anormais para, no próximo período seco, iniciar os trabalhos de elevação do eixo da pista
Fonte: Folha BV
Por: Lucas Luckezie
Categoria: Roraima

Dois caminhões paralisaram no meio do alagamento da rodovia federal BR-174, na manhã desta quarta-feira (25), no trecho coberto pelas cheias do rio Jauaperi próximo à vila Nova Colina, em Rorainópolis, Sul de Roraima. A informação é do empresário do ramo de transportes Remídio Monai, que detalhou que os veículos se arriscam ao passar pelo acostamento.

“As autoridades públicas precisam tomar alguma providência naquele local”, disse Monai, em referência a órgãos como a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). “[Estão] passando caminhões carregados, daqui a pouco pode desabar esse acostamento”, alertou.

À reportagem, o policial rodoviário federal Diego Porto informou que as equipes de fiscalização e policiamento da PRF estão ao longo do trecho, inclusive na região de Sul do Estado, e que os órgãos responsáveis pela infraestrutura rodoviária estão cientes e oficiados sobre as situações em todas as rodovias que estão apresentando problemas por conta das chuvas.

O superintendente do DNIT-RR, Marcelo Geber, declarou que, neste momento, a autarquia está mapeando e estudando os pontos da rodovia que passaram a registrar alagamentos anormais para, no próximo período seco, iniciar os trabalhos de elevação do eixo da pista.

“Se eles [caminhões] pararam em cima da pista, a única forma é rebocar. Provavelmente vai precisar de apoio da própria população, porque naquele trecho específico não tem equipamento agora”, disse, ao ressaltar que não existem veículos adequados em Roraima para atuar em situações pontuais como essa.

“As pranchas que existem no mercado aqui são baixas, elas não podem entrar na água, porque pode acontecer um problema no motor, teriam que ser umas pranchas, que elas fossem mais elevadas”, explicou.