Centro de Atenção Especial do governo está sem limpeza, merenda e ônibus, diz denúncia

Foto:
Por:
Categoria: Roraima

Uma funcionária do Centro Integrado de Atenção à Pessoa com Deficiência (CIAPD), antigo Viva Comunidade, denunciou à reportagem sobre a falta de assistência do Governo do Estado. De acordo com o relato feito nesta quarta-feira (16), a unidade está sem limpeza, merenda e ônibus.

Ainda, segundo a mulher, por conta da ausência de assistentes de alunos, os professores se recusam a iniciar as aulas, pois sem os profissionais, os servidores não tem condição de realizar o trabalho.

“Veio a ordem da Secretaria de Educação querendo saber por que os professores ainda não começaram a atender. Disseram que os professores não tinham autorização de não ter começado. Os professores bateram o pé e falaram que não vão atender”, relatou.

Ela relatou ainda que os assistentes são essenciais para o trabalho dos professores. Sem os assistentes, os docentes não podem deixar a sala de aula para dar auxílio a um aluno especial para ir ao banheiro, por exemplo.

“[O professor]… está com duas crianças com paralisia cerebral. Uma precisa ir ao banheiro, aí como o professor vai levar no banheiro e deixar a outra sozinha?”, indagou.

Dessa forma, os docentes concordaram que as aulas só vão iniciar quando o quadro de funcionários estiver completo.

Sem transporte

Conforme a funcionária, na atual gestão, houve a retirada dos ônibus do Centro. Os veículos eram utilizados para locomover alunos que não tinham condições de ir ao local.

“Antigamente a gente tinha ônibus. Quando entrou esse atual governo, eles tiraram os ônibus. Acho que era uma média de seis ônibus. O ônibus passava, deixava aqui [os alunos] e no final da tarde vinha buscar”, relatou.

Por conta da retirada do transporte, houve uma grande redução na demanda de atendimento. De acordo com a denunciante, muitos pais não têm condições de levar os filhos.

“Imagina, trazer uma criança de cadeira [de rodas] num ônibus circular. Não tem como. É uma coisa que os pais batem na tecla há muitos anos, mas já até desistiram”, disse.

Sem equipe de limpeza

Ainda conforme a denúncia, o centro também está sem equipe para realizar a limpeza. De acordo com a funcionária, duas senhoras nomeadas para uma função diferente é que fazem a limpeza de todo o prédio, composto por sete blocos.

Ela relatou ainda que desde o início da atual gestão os professores que fazem a higienização de alguns setores da unidade, pois as duas servidoras não dão conta devido ao tamanho do prédio.

“Já nesse atual governo, acabou com a equipe de limpeza. Duas senhoras que são lotadas como assistentes de alunos há anos tem que limpar o prédio. Elas não dão conta porque são sete blocos e a área é enorme. Então o que eles [os gestores] priorizam? Eles limpam as salas da equipe da saúde. Em todo esse tempo de governo, os professores é que tem que fazer a limpeza”, contou.

Sem merenda

Por fim, a mulher disse que há três anos, o governo retirou a merenda dos alunos que são atendidos pela Secretaria de Educação. Conforme ela, a Secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social (Setrabes) afirma que a responsabilidade da alimentação dos alunos é da Seed. Por outro lado, a Seed diz que é de responsabilidade da Setrabes. Por conta disso, os alunos ficam sem a merenda.