Desfile militar comemorativo, Coreia do Norte promete ampliar arsenal nuclear

Foto: CNN
Celebrando o 90º aniversário de suas Forças Armadas, regime de Kim Jong Un exibe mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) e outras armas
Fonte: CNN
Por: Josh SmithSoo-hyang Choida
Categoria: Internacional

A Coreia do Norte vai acelerar o desenvolvimento de seu arsenal nuclear, disse o líder Kim Jong Un durante um enorme desfile militar que exibiu mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) e outras armas, informou a mídia estatal nesta terça-feira (26).

O desfile ocorreu na noite de segunda-feira (25) durante as comemorações do 90º aniversário de fundação das Forças Armadas da Coreia do Norte, disse a agência de notícias estatal KCNA.

Pyongyang intensificou os testes de armas e demonstrações de poder militar em meio a paralisadas negociações de desnuclearização com os Estados Unidos e um novo governo conservador na Coreia do Sul.

Autoridades norte-americanas e sul-coreanas dizem que há sinais de novas construções no único local de testes nucleares conhecido da Coreia do Norte, que está oficialmente fechado desde 2018, sugerindo que Pyongyang pode estar se preparando para retomar os testes de armas desse tipo.

“A força nuclear da República deve estar pronta para exercer sua missão responsável e dissuasão única a qualquer momento”, disse Kim, segundo a KCNA. A missão fundamental da força nuclear do Norte é impedir a guerra, mas essa pode não ser a única utilidade, acrescentou.

“Se alguma força tentar se intrometer nos interesses fundamentais de nossa nação, nossas forças nucleares serão forçadas a realizar inesperadamente sua segunda missão”, disse Kim.

O desfile contou com o maior ICBM conhecido da Coreia do Norte , o Hwasong-17. O míssil maciço foi testado pela primeira vez no mês passado, mas autoridades da Coreia do Sul acreditam que os esforços para realizar um teste completo terminaram em uma explosão sobre Pyongyang.

Fotos da parada mostram o Hwasong-17, bem como outros mísseis hipersônicos e balísticos lançados por submarinos (SLBMs), entre outras armas em caminhões e veículos de lançamento em meio a multidões de observadores e participantes.

A comemoração também contou com fileiras de armas convencionais, como artilharia, lançadores de foguetes e tanques protótipos, além de dezenas de milhares de soldados gritando “longa vida” para Kim Jong Un.

Os programas de mísseis balísticos e armas nucleares da Coreia do Norte são proibidos por resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que impuseram sanções ao país.

No último teste de armas em 16 de abril, Kim supervisionou o lançamento do que a mídia estatal disse ser mísseis de curto alcance que poderiam entregar armas nucleares táticas.

Durante uma visita a Seul na semana passada, Sung Kim, o enviado dos EUA para a Coreia do Norte, disse que os aliados “responderiam de forma responsável e decisiva ao comportamento provocativo”, enquanto sublinhava sua disposição de se envolver com a Coreia do Norte “em qualquer lugar sem quaisquer condições”.

A Coreia do Norte disse que está aberta à diplomacia, mas classificou as propostas de Washington como insinceras e “políticas hostis”, como sanções e exercícios militares com o Sul.