Em meio a polêmicas e boicote, China abre Jogos de Inverno

Foto: Divulgação
Brasil estará representado na disputa com 11 atletas
Fonte: CNN
Por:
Categoria: Internacional

Uma cerimônia no Estádio Nacional de Pequim, conhecido como Ninho do Pássaro, marcou nesta sexta-feira (4) a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno 2022. Ao todo, mais de 3 mil atletas competirão em 15 modalidades.

Apesar de não ter tradição em competições de inverno, o Brasil estará representado na disputa. A delegação brasileira foi a 16ª a desfilar no Ninho do Pássaro.

O estádio da abertura dos Jogos de Inverno foi palco da Olimpíada de 2008, também disputada na capital chinesa.

A cerimônia inspirou-se nas festividades do Ano-Novo Lunar, no qual os chineses comemoram a mudança de ciclo em uma data diferente do calendário gregoriano, utilizado na maior parte do mundo. O novo ano começou no dia 1 de fevereiro, mas as comemorações no país duram semanas e fazem parte de uma das tradições mais antigas do país. O calendário chinês entrou no ano 4720, ano do Tigre segundo o horóscopo tradicional local, figura evocada na abertura.

Neste ano, o Brasil levou 11 atletas para o outro lado do mundo. Em comparação como os mais de 300 atletas classificados para a Olimpíada de Tóquio, no ano passado, o número pode parecer pequeno, mas ele representa um aumento em relação a outras edições de inverno.

 

Em Pequim, atletas brasileiros competirão em cinco modalidades: os esquis cross country, alpino e estilo livre moguls, o bobsled e o skeleton.

As disputas começaram na quinta-feira (3), antes da abertura oficial, com classificatórias do curling, do esqui, do hóquei de gelo e da patinação artística. A estreia brasileira veio com Sabrina Cass, de apenas 19 anos. Ela compete no esqui estilo livre moguls, ficou em 21º lugar e disputa a segunda classificatória no domingo (6).

Os Jogos vão até o dia 20 de fevereiro. Confira abaixo as modalidades com atletas do Brasil e atletas candidatos a estrelas da Olimpíada de Inverno de Pequim.

Modalidades em que competem os brasileiros

  • Bobsled
Equipe brasileira no bobsled, na Olimpíada de Inverno de PyeongChang em 2018 / Getty Images

Popularizado no Brasil pelo filme “Jamaica Abaixo de Zero” (1993), o esporte consiste em atravessar uma pista em um trenó em alta velocidade. Após um empurrão na largada, os atletas devem entrar no trenó e chegar no menor tempo possível ao final. A modalidade pode ser disputada em quartetos, duplas ou solo (também conhecido como Monosled).

No Brasil, o esporte é representado por Edson Bindilatti, Edson Martins, Erick Vianna, Jefferson Sabino e Rafael Souza. Esta será a quinta edição das Olimpíadas de Inverno disputada por Bindilatti, um brasileiros com mais longevidade na competição.

Data: 14 de fevereiro, às 9h (horário de Brasília)

  • Esqui Cross Country
Jaqueline Mourão, atleta brasileira do esqui cross country / Comitê Olímpico Brasileiro

O esqui é um dos esportes de neve mais conhecidos globalmente e possui diversos formatos. O cross country é um dos mais clássicos: consiste em percorrer uma distância com obstáculos no menor tempo possível. Ele pode variar entre os formatos “sprint” e “distance”: o primeiro com largadas individuais, distâncias pequenas e baterias de competidores; e o segundo com largadas coletivas e percursos de até 50 quilômetros.

Duas mulheres e um homem compõem a equipe brasileira do esporte. Jaqueline Mourão, de 48 anos, possui muita experiência em torneios olímpicos, tendo participado de quatro Olimpíadas de Inverno e três de Verão, em disputas do ciclismo. Ela se tornará a atletas brasileira com mais participações em Jogos Olímpicos, superando veteranos como o velejador Robert Scheidt e a jogadora de futebol Formiga.

Os outros dois atletas são jovens estreantes: Eduarda Ribera tem 17 anos; e Manex Silva, 19.

Data: 8 de fevereiro, às 5h (horário de Brasília)

  • Esqui estilo livre moguls
Sabrina Cass, atleta que representa o Brasil no esqui estilo livre moguls em Pequim / Alexandre Castello Branco/COB

No estilo livre moguls, os atletas devem descer a montanha no menor tempo possível e fazer ao menos duas acrobacias. Os moguls são ondulações feitas na neve para estimular as acrobacias e criar obstáculos. A classificação dos competidores é calculada através de uma nota atribuída por um júri, que avalia a complexidade das manobras e o tempo.

Sabrina Cass já estreou nos Jogos representando o Brasil e deve participar da segunda classificatória, que determinará as atletas que competirão na final pelo pódio.

Próxima competição: 6 de fevereiro, às 7h (horário de Brasília)

  • Esqui alpino
Michel Macedo, representante brasileiro do esqui alpino em Pequim 2022 / Comitê Olímpico Brasileiro

No esqui alpino, os atletas devem atravessar “portões” para chegar até a base da montanha. Na descida, em alta velocidade, eles não podem deixar de atravessar nenhum dos obstáculos estabelecidos e precisam fazer o menor tempo que conseguirem.

O país será representado por Michel Macedo, de 23 anos. Ela participa de sua segunda edição dos Jogos de Inverno.

Data: 12 de fevereiro, às 23h15 (horário de Brasília)

 

  • Skeleton
Nicole Silveira é a única atleta brasileira no skeleton em Pequim 2022 / Comitê Olímpico Internacional

Um dos esportes mais radicais das Olimpíadas de Inverno, o skeleton consiste em descer uma montanha em um trenó: de cabeça, quase literalmente. Usando um trenó plano, os atletas deitam-se e devem chegar à base da encosta no menor tempo, podendo fazer de duas a quatro descidas.

A gaúcha Nicole Silveira, de 27 anos, irá se arriscar nas descidas em Pequim, representando o Brasil. Ela vive no Canadá, trabalha como enfermeira e obteve bons resultados no skeleton nos últimos anos. Se ficar entre as oito melhores em Pequim, será o melhor resultado da história do esporte brasileiro em uma competição dos Jogos de Inverno — ela superaria o nono lugar de Isabel Clark no snowboard das Olimpíadas de Turim, em 2006.

Data: 10 de fevereiro, às 22h30 (horário de Brasília)

Sem a participação de brasileiros, outros esportes que costumam chamar a atenção nas Olimpíadas de Inverno são o hóquei no gelo, a patinação artística, o snowboard e o curling.

Atletas de destaque nos Jogos de Inverno

Os esportes da neve e do gelo costumam ser dominados por atletas de países com climas mais frios. Veja alguns dos candidatos a protagonistas em Pequim.

  • Yuzuru Hanyu – Patinação Artística

O atleta japonês tornou-se um dos maiores nomes da patinação artística, com duas medalhas de ouro na categoria solo nas últimas edições dos Jogos. A expectativa é pela terceira vitória dele em 2022.

Hanyu Yuzur, um dos nomes mais proeminentes na patinação artística em Pequim 2022 / Comitê Olímpico Internacional
  • Mikaela Shiffrin – Esqui Alpino

A norte-americana conquistou resultados impressionantes nas últimas competições mundiais do esqui alpino e deve representar uma adversária difícil para as outras competidoras. Ela foi a campeã olímpica do esqui alpino mais jovem da história, e, assim como Yuzuru, busca o tricampeonato.

Mikaela Shiffrin, representante dos EUA no esqui alpino / Getty Images

  • Suzanne Schulting – Patinação de Velocidade

A holandesa de 24 anos conquistou um ouro e um bronze em sua participação na Olimpíada de PyeongChang, em 2018, e teve destaque em diversos campeonatos da modalidade nos quatro anos de intervalo até Pequim 2022. Ela participa da patinação de velocidade em pista curta.

Suzanne Schulting, patinadora holandesa / Comitê Ol[impico Internacional

 

  • Mikaël Kingsbury – Esqui Estilo Livre

O canadense, especialista na modalidade moguls, já participou de duas Olimpíadas de Inverno (Sochi-2014 e PyeongChang-2018) e conquistou uma prata e um ouro. Ele ganhou destaque a partir dessas competições e de torneios internacionais.

Mikaël Kingsbury, atleta canadense do esqui / Comitê Olímpico Internacional