Garimpeiros exigem sexo com meninas e mulheres Yanomami em troca de comida, aponta relatório

Foto: Reprodução
Relatório foi divulgado pela Hutukara Associação Yanomami (Hay) nesta segunda-feira (11). Documento também aponta que o garimpo cresceu 46% na reserva indígena durante o ano passado.
Fonte: G1
Por:
Categoria: Roraima

Garimpeiros exigem sexo com meninas e mulheres indígenas como moeda de troca por comida na Terra Yanomami. É o que aponta o relatório da Hutukara Associação Yanomami (Hay), divulgado nesta segunda-feira (11).

As informações foram antecipadas pelo jornal “O Globo” neste domingo (10). O documento traz relatos de indígenas, pesquisadores e antropólogos, e mostra que ao menos três adolescentes, de até 13 anos, ficaram doentes e morreram em 2020 após os abusos praticados pelos garimpeiros.

“Elas eram novas, tendo apenas tido a primeira menstruação. Após os garimpeiros terem provocado a morte dessas moças, os Yanomami protestaram contra os garimpeiros, que se afastaram um pouco. As lideranças disseram para eles [garimpeiros] que estando tão próximos, se comportam muito mal.”, diz o relato de uma pesquisadora indígena após conversa com uma mulher Yanomami.

 

Na região do Rio Apiaú, os moradores relataram à Hutukara que um garimpeiro que explora a região ofereceu drogas e bebidas aos indígenas e, quando todos já estavam bêbados, estuprou uma das crianças da comunidade.

Há também a denúncia de um “casamento” arranjado de uma adolescente Yanomami com um garimpeiro, com a promessa de pagamento de mercadoria, que nunca foi cumprida.

Para Dário Kopenawa, vice-presidente da Hay, o governo precisa avaliar as ações adotadas até hoje, pois muitas operações de combate ao garimpo “não surtiram efeitos”.

“Esse documento mostra a realidade que estamos vivendo e suas consequências, de muita violência e vulnerabilidade. O meu povo está sofrendo. Pedimos o apoio da população para se unir ao nosso grito de socorro para a retirada imediata dos garimpeiros do nosso território”, disse Dario Kopenawa.

Procuramos o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério da Saúde e a Fundação Nacional do Índio (Funai) e aguarda retorno.