Irmão de Michelle Obama tem os filhos Vitimas de preconceito racial

Foto: CNN
Escola exigia que os alunos realizassem uma simulação de rotas secretas nos Estados Unidos usadas por afro-americanos escravizados para tentar escapar do período escravagista, informou o casal Robinson
Fonte: CNN
Por: Omar Jimenezda
Categoria: Extremo Norte TV

Craig e Kelly Robinson disseram que ficaram chocados ao receber uma carta informando que seus filhos não seriam autorizados a voltar como estudantes na prestigiosa Escola Universitária de Milwaukee (USM).

“Não podemos continuar um relacionamento com sua família”, é o que dizia parte da carta de rescisão de matrícula, enviada no final do ano letivo passado. Os alunos, na época 11 e 9, foram efetivamente afastados.

“Sentimos que eles foram retaliados porque levantamos algumas questões que eram sensíveis ao governo”, disse Craig Robinson . Robinson é irmão da ex-primeira-dama Michelle Obama.

Ele disse que começou dando feedback à escola sobre as práticas de ensino que ele e sua esposa acreditavam serem preocupantes, especialmente durante o período de aprendizado virtual no ano passado.

“A primeira coisa que notamos foi um uso repetido de estereótipos raciais e étnicos em tarefas reais de sala de aula”, disse Robinson.

Enquanto ele e sua esposa, Kelly Robinson, não forneceram detalhes, eles enfatizaram que era mais sobre como a escola tratava suas preocupações. “É a maneira como eles lidaram com isso e o fato de não quererem enfrentar o problema real e, em vez disso, retaliarem contra nós e nossos filhos”.

Então, o casal, ao lado do advogado Kim Motley, entrou com uma ação civil na segunda-feira (18) alegando em parte: “a escola agiu de forma inadmissível para silenciar e retaliar contra aqueles afetados adversamente e levantar preocupações sobre o tratamento injusto da escola de estudantes de cor. e estudantes sub-representados.”

Os Robinsons agora querem um julgamento por júri e serem indenizados pelos danos. A escola, no entanto, negou as acusações.

A carta da USM aos Robinsons, datada de junho de 2021 e enviada pelo diretor da escola Steven Hancock, disse que a decisão se resumia a como o casal lidava com professores e administradores.

“Você não demonstrou respeito pela experiência e profissionalismo deles, nem se relacionou consistentemente com eles de maneira respeitosa, confiável, justa ou gentil”, dizia parte da carta endereçada aos Robinsons. “Você se envolveu repetidamente em comunicações desrespeitosas e exigentes com e sobre nossos professores e administradores.”

Em resposta ao processo, a escola divulgou um comunicado dizendo que não poderia comentar os detalhes do caso, mas afirmou: “podemos dizer que as decisões de matrícula da USM não tiveram nada a ver com queixas de desigualdade ou discriminação e pretendemos vigorosamente defender a escola contra qualquer alegação em contrário.”

“Não podemos e não toleraremos comportamentos persistentemente desrespeitosos, intimidadores ou de assédio dirigidos a nossos professores e administradores dedicados e trabalhadores”, continuou o comunicado.

Os Robinsons negaram essa dinâmica.

“A declaração deles é tão surpreendente quanto reveladora”, declarou Craig Robinson . “O tom com que estávamos dando ideias era como se estivéssemos falando com você”, acrescentou ele de maneira neutra e prática.

“Fomos pegos de surpresa”, acrescentou Kelly Robinson. “Não havia nada que indicasse que o que estávamos fazendo e a maneira pela qual estávamos nos comunicando era incomum”.

A carta de rescisão de matrícula não citou nenhuma menção ao comportamento das crianças em seu raciocínio. Eles foram descritos como estudantes que encarnam o “retrato de um graduado” da USM.

“Nossos filhos realmente sofreram o impacto disso”, destacou Kelly Robinson quando começou a chorar. “Eles ouviram pessoas falando sobre como devem ter feito algo terrivelmente errado, o que não poderia estar mais longe da verdade.”

Ela então contou em lágrimas como um de seus filhos disse-lhe que recentemente lidou com uma questão de racismo em sua nova escola, “mas ele não nos contou até a terceira vez porqueestava com medo de se meter em problemas”.

‘Isso não era apenas sobre nós’

Os Robinsons disseram que parte de seu raciocínio ao tomar uma medida formal é que eles ouviram outras pessoas que compartilharam experiências semelhantes.

Uma parte do processo alega não apenas “conduta injusta e retaliatória” em relação aos filhos dos Robinsons, mas também um “padrão mais amplo, que se estende por muitos anos, de tratamento injusto e insensibilidade por parte da USM em relação a seus alunos negros e sub-representados”.

Por exemplo, o processo alega que durante anos, em um estilo de ensino já abandonado, a escola exigia que os alunos da quarta série realizassem uma simulação do Underground Railroad, rotas secretas nos Estados Unidos usadas por afro-americanos escravizados para tentar escapar do período escravagista do século XIX.

“Os professores da USM disseram aos alunos da quarta série para usar roupas velhas ou comprar roupas usadas em brechós. Os professores agiram como ‘caçadores de escravos’ e foram instruídos a tentar pegar os alunos”, dizia parte do processo.

“Durante a simulação, os alunos deveriam navegar por corredores e salas de aula escuras, enquanto a equipe da USM tocava sons evocando chicotes, correntes e cavalos galopando para tornar a experiência mais vívida e intensa”.

A Reportagem entrou em contato com a Escola Universitária de Milwaukee para comentar os supostos exercícios, mas não recebeu uma resposta.

Apelo

Online, um apelo à ação está circulando entre um “grupo de pais e alunos atuais e antigos da Escola Universitária de Milwaukee”, pressionando a liderança da escola a reverter o que chama de cultura de “preconceito e insensibilidade”.

Mais de 200 ex-alunos, pais e até mesmo alunos estão listados como inscritos.

“Também ouvi de muitas pessoas cujas histórias não estarão neste site e que não estarão em público porque ainda têm medo de retaliação”, disse Kelly Robinson. “É por isso que trouxemos isso adiante, como Craig comentou, não era apenas sobre nós, era sobre todas essas outras pessoas que também passaram por isso”.