Moradores atravessam estrada a cavalo devido a precariedade

Foto: Roraima em Tempo
Com a via alagada, homem teve que deixar o carro para trás e seguir a viagem a cavalo
Por:
Categoria: Extremo Norte TV

Um morador de São João da Baliza, na região Sul do Estado, registrou nesse fim de semana as dificuldades enfrentadas com as condições das estradas nesse início de inverno.

Em cima de um cavalo, um homem mostra a vicinal 30 alagada devido à falta de estrutura na via. Por conta disso, ele teve que deixar o carro para trás.

“Olha aí, povo do Baliza. Agora, ano que vem nós temos que arrumar isso aqui. O governador não arrumou, no ano que vem nós arruma. Tem que largar o carro e passar de cavalo. E quem não tem cavalo passa de a pé”.

O homem mostra as trechos alagados e ainda critica a falta de assistência do governo aos produtores da região.

“Aqui que eu digo que era para eles aterrarem, mas eles não sabem aterrar, fazer estrada. Aqui eles brincam com o produtor, com o cara que tem coragem de morar na propriedade dele. Eu acho que eles queriam que todo mundo morasse na rua e vivesse às custas de cesta dele”, criticou.

Conforme as imagens, há pequenos trechos que não cobertos pela água. Dessa forma, o homem relata que no inverno do ano passado, teve deixar o carro em um desses locais por três dias.

Outros casos

Não é de hoje que os produtores do Sul do Estado têm a difícil tarefa de fazer trafegar e de fazer o escoamento de suas produções. Em muitos casos, eles têm prejuízos.

Em setembro do ano passado, em uma série de reportagem mostrou o caso do Antônio José dos Santos, o Antônio borracheiro.

Ele trabalha alugando caminhões para transportar cargas de bananas de São João da Baliza para Manaus.

Contudo, ele relatou que há poucos dias o caminhão que levava 20 mil kg de banana havia tombado em uma vicinal da cidade.

“A vicinal estava intrafegável e a carroceria quebrou. No dia, fui à delegacia porque o dono da carga queria levar apenas as bananas e não queria pagar pelo prejuízo. Hoje estou consertando o caminhão sozinho”, disse à época.

Ponte quebrada

Do mesmo modo, a reportagem também esteve em uma das pontes do município que não recebia reforma há mais de 10 anos no trecho da RR-460, km 80. Para chegar até o local são necessárias quase 2h de carro a partir da sede do município.

O local, além de dificultar o tráfego de veículos, traz insegurança para a população. O autônomo Teidi Cabral, morador da cidade, disse que a população sempre cobrou solução do governo. Contudo, nunca recebeu resposta.

“Sempre cobramos dos governantes para arrumar a ponte sobre o Rio dos Peixes para escoar a produção, mas não somos ouvidos. Estamos esquecidos”.