“NADA SE REJEITA, TUDO SE APROVEITA” – Integrantes do Dedo Verde produzem artesanato em comemoração ao Dia Mundial da Reciclagem

Papelão, vidro, lata de alumínio, garrafas de plástico são exemplos de materiais que podem ser reutilizados de diversas formas. E durante esta semana, no Programa Dedo Verde, tudo isso virou arte. A reciclagem é mais uma iniciativa de Educação Ambiental que a Prefeitura de Boa Vista pratica com 191 integrantes. Os encontros ocorrem no Horto Municipal, bairro São Francisco.

O Dedo Verte tem 191 integrantes. Os adolescentes são divididos entre turmas pela manhã e tarde.

Para garantir um conhecimento completo nas atividades de reciclagem ou temas diversos, os integrantes sempre têm aula teórica antes. Eles aprenderam como e por qual motivo reciclar, visando a preservação dos recursos naturais do planeta. Além de fazer a própria parte, aumentando a vida útil de materiais que podem prejudicar o meio ambiente, eles também são capacitados para incentivarem outras pessoas a fazerem o mesmo.

O objetivo é capacitar os jovens para atividades ambientais dentro e fora do programa.

“Trabalhamos vários aspectos no jovem, como ambiental, profissional e social. Eles adquirem conhecimentos diversos, produzem mudas de plantas, aprendem quais são os benefícios de cada espécie, aprendem também sobre os cuidados para garantir a saúde do que plantam e por aí vai. Esses adolescentes são agentes multiplicadores da proteção ambiental”, disse o gerente do Dedo Verde, Leonardo Beserra.

Os cuidados de todas as espécies de plantas na sede do programa são de responsabilidade dos integrantes e profissionais do Dedo Verde.

Educação Ambiental humanizada e o impacto na vida dos integrantes

O Programa Dedo Verde atende adolescentes de 15 a 18 anos que, por estarem em situação de vulnerabilidade social, precisam de proteção e incentivo, visando a prevenção de riscos e busca por direitos. Jardinagem e horticultura são formas acessíveis de promover bem-estar, amenizando sintomas de ansiedade. Os integrantes podem replicar em casa os aprendizados adquiridos no Horto Municipal, fortalecendo vínculos sociais e familiares.

A planta favorita do integrante Rayandeson é a rosa-do-deserto.

“Novato” no Dedo Verde, Rayandeson de Oliveira tem 16 anos e está há 9 meses no programa. Com um semblante sério, o sorriso aparece apenas quando começa a “botar a mão na massa”. “Minha planta favorita é a rosa-do-deserto, mas não temos aqui no horto. Gosto muito da babosa também e temos várias. Nessa atividade de reciclagem, vou fazer um jarro para plantar babosa”, disse.

VAI DEIXAR SAUDADES – Por outro lado, a integrante Ayiume Yasmim, de 18 anos, é uma “veterana”. Com 5 anos de participação, sair do programa é um misto de sentimentos, segundo a adolescente. Durante esse tempo, ela passou por todas as turmas do Dedo Verde, conheceu diversos educadores sociais, visitantes e, o mais importante, adquiriu aprendizados que vai usar por toda a vida.

A integrante Ayiume relembra os aprendizados que adquiriu ao longo dos 5 anos de Dedo Verde.

“Sou bem sociável, mas tinha vergonha de ler alto, falar em público e essas coisas. No Dedo Verde, desenvolvi isso. Antes, eu não reciclava nada. Agora, sempre procuro um meio de reutilizar tudo que uso e também tento incentivar os meus colegas fora do programa. Quando fazem algo prejudicial para o meio ambiente na minha frente, eu falo ‘ei, sou do Dedo Verde, não aceito isso’ e oriento a forma certa”, contou Ayume.

É DAÍ PARA MELHOR – Mudanças positivas como as de Rayandeson e Ayiume são motivos para que o investimento em Assistência Social continue sendo valorizado. Além de promover cuidado e bem-estar, os programas e projetos sociais da prefeitura garantem que os munícipes busquem condições adequadas para trabalhar e contribuir para a economia. Afinal, são as pessoas e as famílias em primeiro lugar, é Boa Vista Pra Frente!

Fonte notícia/imagen Prefeitura Municipal de Boa Vista – Leia a notícia completa.

Leia mais