Nova espécie de crocodilo pré-histórico é encontrada com dinossauro no estômago

Foto: Reprodução
Espécie pode ter vivido durante o período Cretáceo, entre 145 milhões e 66 milhões de anos atrás
Fonte: CNN
Por:
Categoria: Internacional

Uma nova espécie de crocodilo, tão antiga quanto o período Cretáceo, foi descoberta em Queensland, na Austrália, e sua última refeição foi um jovem dinossauro, dizem cientistas.

Os ossos fossilizados de um Confractosuchus sauroktonos foram escavados em 2010, em uma estação de ovelhas próxima à Formação Winton, um assentamento geológico de cerca de 95 milhões de anos.

Dentro do estômago de um crocodilo de 2,5 metros de comprimento, pesquisadores identificaram os restos parcialmente digeridos de um jovem ornitópode, de acordo com um artigo que nomeia a nova espécie. O material foi publicado na revista científica Gondwana Research em 11 de fevereiro.

Essa é a primeira evidência de um crocodilo predando um dinossauro na Austrália, disse, em nota, o Museu Australiano da Era dos Dinossauros, que fez a descoberta.

A amostra do crocodilo, inicialmente preservada em uma massa de siltito –um tipo de rocha sedimentar–, havia sido parcialmente amassada. O dano revelou uma série de pequenos ossos do esqueleto de uma criatura pequena do Cretáceo.

Os cientistas usaram tecnologias de raios X e microtomografias para localizar os ossos dentro da espécie de crocodilo, além de dez meses de processos computadorizados para produzir uma reconstrução em 3D dos ossos.

Com 35% do crocodilo de água doce preservado, os pesquisadores puderam recuperar um crânio quase completo do animal. Apesar de não poderem classificar o pequeno dinossauro dentro de seu estômago, eles o descreveram como um filhote pesando cerca de 1,7 kg.

Uma descoberta como essa é “extremamente rara, e apenas alguns exemplos de predação de dinossauros são conhecidos globalmente”, afirma o museu.

“Enquanto o Confractosuchus não era especializado em comer dinossauros, ele não ignoraria uma refeição fácil, como um jovem ornitópode como este encontrado em seu estômago”, disse Matt White, pesquisador associado ao museu que liderou a pesquisa.

“É provável que os dinossauros constituíssem uma parte importante dos recursos da teia alimentar ecológica no Cretáceo”.

“Dada a falta de espécimes globais comparáveis, esse crocodilo pré-histórico e sua última refeição continuarão a prover pistas para as relações e comportamentos de animais que habitaram a Austrália há milhões de anos.”

Confractosuchus sauroktonos é o segundo crocodilo a ser nomeado a partir da Formação Winton. O assentamento expôs diversas descobertas científicas nos últimos anos, incluindo um pterossauro de 96 milhões de anos em outubro de 2019.