Paciente denuncia demora de quatro meses para marcar exame de ressonância magnética na rede estadual

Foto: Reprodução
Mulher deixou de receber benefício do INSS por não conseguir comprovar problema devido dificuldade em marcar exame
Por:
Categoria: Extremo Norte TV

A paciente Ivete de Almeida, de 49 anos, denunciou  nesta terça-feira (21), a demora de quatro meses para marcar uma ressonância magnética na Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

A mulher sofreu um acidente de trabalho e tem uma fratura na coluna e no fêmur. Devido a isso, ela é beneficiária do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), no entanto, está sem receber o auxílio, pois é preciso comprovar a condição na perícia.

Dessa forma, ela precisa realizar a ressonância magnética, o que ainda não ocorreu devido a demora para marcar o exame.

Conforme Ivete, em fevereiro, ela foi à Central de Marcação de Exames da Sesau e foi informada que, em dentro de 15 dias, a unidade entraria em contato para dizer a clínica onde iria realizar o exame, o que não ocorreu.

“Esperei os 15 dias, 20, 30 dias e nada. Depois de mais de um mês, eu voltei lá. Aí disseram ‘não, essa semana vão ligar’. Nunca ligaram”, relatou.

No mês seguinte, ela tentou novamente. No entanto, a situação se repetiu. “Eu tenho necessidade, porque eu sofri um acidente de trabalho e desde 2012 eu luto na Justiça para ter direito de receber esse benefício, que é o meu único sustento”, disse.

Ela disse ainda, que foi quatro vezes na unidade de marcação de exames e consultas, mas nunca conseguiu marcá-la.

“A última vez, eu fui semana retrasada lá, dia 8 […] cheguei lá, a mulher disse ‘olha, a senhora tem que continuar esperando em casa porque vão te ligar’. Quando que vão me ligar, pelo amor de Deus?”, indagou.

Não é a primeira vez

Essa não é a primeira vez que Ivete faz uma denúncia de demora para marcar o exame. Ainda em maio deste ano, a paciente entrou em contato com a redação para relatar a mesma situação.

O caso de Ivete também não é o único. Em março, a família do paciente Nilson Moraes de Souza, de 50 anos, procurou a reportagem para denunciar a demora para marcar um exame de ecocardiograma para avaliar possíveis doenças cardíacas.

Conforme a filha do homem, a família tentou marcar o exame na semana anterior à denúncia, mas recebeu a informação de que só conseguiria em dois meses.

Citada

A reportagem entrou em contato com a Sesau que por meio de nota, disse que vai verificar a situação da paciente citada e que caso já tenha a Autorização de Procedimento Ambulatorial, o exame será feito de forma imediata.