Polícia Civil apreende 14 quilos de maconha em potes de geleia de açaí

Foto: Reprodução
Duas cargas de maconhas oriundas do Amazonas foram interceptadas e apreendidas pela Polícia Civil
Fonte: Folha BV
Por:
Categoria: Extremo Norte TV

Um homem foi preso em Boa Vista com 14 quilos de maconha distribuídos em potes de geleia de açaí. As cargas da droga são oriundas do Amazonas, interceptadas e apreendidas após investigação da Polícia Civil, Delegacia de Repressão à Entorpecentes e Departamento de Narcóticos. A ação ocorreu em dois dias, quinta e sexta-feira (26 e 27, respectivamente).

A droga veio do Amazonas e entrou em Roraima por meio de um ônibus comercial e foi apreendida no Terminal de Cargas de uma empresa localizada no Centro de Boa Vista. A segunda carga entrou em Roraima por meio de um caminhão de uma transportadora e foi apreendida na Rodoviária Internacional de Boa Vista.

A investigação foi coordenada pela delegada titular da DRE, Francilene Lima Hoffmann de Vargas, e, segundo ela, as pessoas envolvidas com a droga têm conexões com outro caso registrado pela DRE em maio de 2021.

A delegada esclareceu que a ação policial ocorreu em dois momentos. A primeira, quando a equipe recebeu uma comunicação da gerência de uma empresa de que havia recebido uma mercadoria suspeita. Os policiais foram ao local e apreenderam 117 potes, em tese de açaí e, que após as diligências, confirmou-se que se tratava de maconha.

O material apreendido foi encaminhado ao ICPDA (Instituto de Criminalística Perito Dimas Almeida) e constatado que se tratava de maconha e pesava 10,3 quilos.

“Eles usavam o comércio de geleia e açaí para encobrir o crime de tráfico de drogas. A droga era colocada em potes, prensada e jogavam um pouco de açaí por cima, para disfarçar. Dos 117 potes, apenas sete continham somente açaí”, disse a delegada.

Após a apreensão da maconha, os policiais investigaram e localizaram o destinatário da droga, em uma residência localizada no Bairro Mecejana. Foi preso em flagrante K. N. S. C. L., de 27 anos. Ele admitiu o crime de tráfico de drogas e ainda reafirmou que tal conexão é a mesma da prisão realizada em 2021. A droga apreendida em Boa Vista segundo ele, seria encaminhada via aérea para o Rio de Janeiro e São Paulo.

CONTINUIDADE DA INVESTIGAÇÃO

O envolvido foi encaminhado à DRE e autuado em flagrante pelo crime de tráfico de drogas. Na manhã desta sexta-feira (27), ele foi apresentado na Audiência de Custódia.

Após a prisão dele, as equipes da DRE e Denarc deram continuidade a outra diligência, relacionada ao mesmo caso, uma vez que receberam a informação de que outra carga trazendo drogas para Boa Vista estava a caminho de Roraima, saindo do Amazonas.

“A informação é de que a droga estaria embalada em potes de geleia de açaí e estava vindo no caminhão de uma transportadora. Assim, deslocamos a equipe até Caracaraí, para aguardar a passagem do caminhão e os acompanhamos até Boa Vista”, detalhou a delegada.

A carga foi apreendida ao chegar na Rodoviária Internacional de Boa Vista. Durante a revista foram apreendidos 45 potes de geleias de açaí. No local, tanto o motorista do caminhão quanto a proprietária da transportadora informaram que fizeram acordo comercial a um cliente para transportar uma carga de geleia de açaí do Amazonas para Boa Vista e não sabiam que havia drogas.

O material apreendido também foi encaminhado ao ICPDA e constato ser maconha, pesando 4,08 quilos.

CONEXÕES – Segundo a delegada, a pessoa presa em 2021, que praticava o mesmo crime, continua atuando.

“Naquela ocasião utilizava a rota Amazonas a Roraima, trazendo a droga camuflada dentro de panetones. Daqui, enviava para outros Estados, como Salvador, por exemplo, onde dez quilos de drogas foram interceptados”, disse a delegada.

Francilene Vargas ressalta que a prisão do acusado K. N. S. C. L., foi fundamental para desbaratar toda a investigação iniciada ainda no ano de 2021. Revelou que o grupo criminoso continua atuando.

“Esta é a terceira investida da Polícia Civil contra eles, com êxito e vamos continuar trabalhando para esclarecer outros crimes similares”, destacou a delegada”.