Polícia Civil esclarece três homicídios e desbarata organização criminosa em Bonfim

Foto: Reprodução
Um assassinato ocorreu em 2019, outro em 2020, enquanto o terceiro aconteceu em 2021
Por:
Categoria: Extremo Norte TV

Agentes da Polícia Civil de Roraima (PC) lotados na Delegacia de Bonfim, região Norte de Roraima, esclareceram três homicídios ocorridos naquela região.

Um assassinato ocorreu em 2019, outro em 2020, enquanto o terceiro aconteceu em 2021. Integrantes de uma organização criminosa que agiam em Bonfim e na Guiana, praticaram os crimes. Dessa forma, a Civil prendeu seis pessoas. Os policiais localizaram três deles na tarde de ontem (03).

Os agentes esclareceram os crimes a partir das investigações realizadas para identificar os autores do assassinato de Yuri Vitor Bento Richil, de 24 anos, ocorrido na madrugada do dia 21 de dezembro de 2021. O crime ocorreu no Bairro Getúlio Vargas, em Bonfim.

De acordo com as investigações, a vítima, que era colega dos acusados do crime, teria dito durante uma bebedeira ser integrante de uma facção criminosa e que tinha por missão matar integrantes da facção rival.

Ele foi atraído pelos amigos onde beberam juntos e teve sua bebida “batizada”. Ao perceberem que o homem já estava dopado, os dois autores do crime o levaram para uma área mais distante e deserta e o mataram a facadas. A vítima ainda tentou fugir, mas mão teve defesa.

O delegado titular de Bonfim, Alberto Alencar, solicitou a prisão dos dois homens e a Justiça deferiu o pedido.

Investigações levaram à prisão de autores do assassinato de adolescente de 16 anos

Durante as investigações para esclarecer a morte de Yuri Vitor, os policiais descobriram que um dos criminosos também participou do assassinato de Oduan Macio Júnior da Silva e Silva. Na época, a vitima tinha 16 anos. Ele foi encontrado morto no dia 25 de dezembro de 2019, numa área da Guiana.

O crime até então não havia sido esclarecido. Durante as investigações, os policiais descobriram que os criminosos sequestraram e torturam Oduan Macio no Brasil e o levaram para ser morto na Guiana. Oito pessoas adultas, bem como um adolescente participaram do crime.

A motivação do crime seria porque a facção o acusou o adolescente de ter furtado uma motocicleta pertencente a um chefe da organização criminosa, que determinou o julgamento dele, por um “tribunal” do crime.

Então a vítima foi levada até a casa de uma pessoa, de 21 anos, onde foi mantida em cativeiro e torturada. Posteriormente, um líder da facção determinou a ordem para submetê-lo a julgamento, quando foi sentenciado à morte pelo grupo.

A ordem era levá-lo até o lado guianense, matá-lo e esquartejá-lo. Contudo, a vítima foi morta a tiros na Guiana e teve a cabeça praticamente decepada. Logo depois, as autoridades guianenses realizaram a autópsia e entregaram o corpo em Bonfim.

Outras cinco pessoas participaram do crime. Todos eles foram identificados e presos. Conforme a PC, as diligências continuam para localizar mais dois adultos envolvidos no crime.

Do mesmo modo, o delegado Alberto Alencar também representou pela prisão dos envolvidos. Toda a investigação contou com o apoio do Ministério Público (MP) em Bonfim, bem como do Poder Judiciário.

Um dos envolvidos se entregou

Em fevereiro, após diligências para prender um dos envolvidos, ele próprio decidiu se apresentar na Central de Flagrantes, em Boa Vista. Em seguida os policiais prenderam outro suspeito e cumpriram o mandado de prisão de mais um envolvido. Este já estava preso por outro crime.

Após várias diligências ao longo do dia de ontem (03) em Bonfim, coordenada pelo delegado interino no município, Rodrigo Gomides, os policiais deram cumprimento ao mandado de prisão outras três pessoas. A PC apresentou os infratores no sistema prisional.

PC esclarece homicídio ocorrido em 2020

Ainda durante as investigações, os policiais esclareceram a morte de Dorivaldo Silva de Souza, de 27 anos. O crime ocorreu em 15 de janeiro de 2020. O homem desapareceu de sua casa e encontraram seu corpo três dias depois em adiantado estado de putrefação.

As investigações estavam prejudicadas, pois a PC não tinha testemunhas do crime identificadas e pouquíssimas informações que pudessem esclarecer a autoria.

Com a prisão dos envolvidos nos homicídios de Yuri Vitor e Oduan Macio, os policiais civis chegaram à autoria do assassinato de Dorivaldo Silva de Souza. A polícia está procurando o autor do crime. Ele aparece nas investigações como um dos autores da morte do adolescente Oduan Macio.

As investigações apontam que a motivação do crime foi banal, somente por que o infrator “não ia com a cara” da vítima.

De acordo com o delegado Gomides, as investigações vêm sendo conduzidas pelo delegado Alberto Alencar.

“As investigações são complexas, em duas delas não havia testemunhas e poucas informações. Mas através do esclarecimento de um crime, os policiais conseguiram esclarecer outros dois. A equipe está de parabéns pelo trabalho”, destacou.