Uísque pode em breve ajudar a abastecer o seu carro

Foto: Metrópoles
Um litro de uísque gera uma quantidade enorme de resíduos, possíveis novos biocombustíveis
Fonte: CNN
Por: Rebecca Cairnsdo
Categoria: Extremo Norte TV

Cerca de 44 garrafas de uísque escocês são enviadas ao redor do mundo por segundo, tornando-o o destilado mais comercializado internacionalmente e gerando receitas de exportação de £ 4,5 bilhões (US$ 5,9 bilhões) no ano passado.

Mas, para cada litro de uísque há uma quantidade enorme de resíduos: cerca de 2,5 quilos de subprodutos sólidos conhecidos como draff, 8 litros de líquido conhecido como pot ale e 10 litros de borras gastas, um resíduo aquoso.

Isso equivale a 684.000 toneladas métricas de draff e mais de 2,3 bilhões de litros de pot ale todos os anos, de acordo com a Zero Waste Scotland. Alguns são usados ​​para alimentação animal, e alguns vão para aterros ou são despejados em rios e oceanos.

Um cientista de biocombustíveis apresentou um uso criativo e de alto valor para esses resíduos.

Martin Tangney, fundador da Celtic Renewables, usa um processo de fermentação para transformar os subprodutos do uísque em bioquímicos que podem substituir parte da gasolina e do diesel usados ​​nos carros, e também podem ser usados ​​para fabricar outros produtos à base de petróleo.

Veículos movidos a uísque

Os biocombustíveis não são novos. No final de 1800, Rudolph Diesel experimentou o óleo de amendoim como combustível original para seu motor homônimo e, na década de 1930, Henry Ford viu o etanol à base de plantas como o “combustível do futuro”.

Mas as colheitas eram caras, e o petróleo oferecia uma alternativa barata. O objetivo de Tahttps://www.cnnbrasil.com.br/tudo-sobre/dieselngney era encontrar um material básico barato para tornar os biocombustíveis comercialmente viáveis ​​– e também mais sustentáveis.

Ele montou o primeiro centro de pesquisa de biocombustíveis do Reino Unido na Universidade Napier em Edimburgo, Escócia, em 2007, e explorou “tudo, de jornal a algas marinhas” antes de se decidir pelos subprodutos do uísque.

Vendo o potencial comercial, Tangney formou a Celtic Renewables em 2011 como um spin-out da universidade.

A startup usa um processo conhecido como fermentação de acetona-butanol-etanol (ABE), no qual as bactérias decompõem os açúcares do uísque e da cerveja em ácidos. Eles, por sua vez, são divididos em solventes como butanol e etanol, que podem ser adicionados à gasolina ou diesel para alimentar um carro.

A Celtic Renewables demonstrou o combustível, dirigindo um Ford não-modificado em estradas escocesas usando 15% de biobutanol feito de uísque.

Tangney diz que seu processo de fermentação não se limita a subprodutos de uísque e pode usar resíduos de outros setores de alimentos, como laticínios. “É aí que nos vemos como agregando valor”, diz ele.

Uma solução viável?

Os biocombustíveis feitos de materiais orgânicos renováveis, como milho, soja ou cana-de-açúcar, são frequentemente promovidos como uma alternativa de baixo carbono aos combustíveis fósseis, mas produzi-los muitas vezes requer grandes quantidades de terra.

Isso pode prejudicar os benefícios da redução das emissões de gases de efeito estufa, diz Alison Smith, pesquisadora associada sênior do Environmental Change Institute da Universidade de Oxford.

Como a aviação e outras indústrias procuram o biocombustível como uma solução rápida para descarbonização, Smith alerta que existem “enormes compensações e impactos na biodiversidade, armazenamento de carbono e segurança alimentar”, dependendo da matéria-prima.

No entanto, o combustível feito de “resíduos genuínos”, como subprodutos do uísque, é “provavelmente o melhor tipo possível de biocombustível”, diz ela, pois evita esses problemas.

Tangney encomendou uma análise independente do ciclo de vida do produto para avaliar os benefícios ambientais, a ser publicada ainda este ano.

A escala também é um problema. Com os biocombustíveis atualmente representando apenas 3% do combustível usado no transporte global, eles têm um longo caminho a percorrer antes de causar um sério impacto nas emissões de carbono e gases de efeito estufa.

Em vez disso, o setor de transporte deve enfatizar a redução da demanda, diz Smith. “Isso torna muito mais fácil suprir o restante de nossas necessidades de transporte de fontes sustentáveis, seja eletricidade renovável ou biogás ou biocombustíveis líquidos”, diz Smith.

Além dos combustíveis à base de resíduos

Já existem veículos movidos a uísque circulando pela Escócia. A Destilaria Glenfiddich, operada pela William Grant & Sons, usa biogás feito no local a partir dos subprodutos de seu próprio uísque para alimentar alguns de seus caminhões, reduzindo as emissões de carbono dos caminhões em 90%.

Os resíduos de uísque podem ser usados ​​para criar mais do que biocombustíveis. Os solventes de sua fermentação podem ser usados ​​como alternativa ao óleo em plásticos, cosméticos, farmacêuticos, vestuário e eletrônicos, diz Tangney.

A Celtic Renewables levantou mais de £ 40 milhões (US$ 52 milhões), com o apoio de investidores privados, subsídios do governo e financiamento coletivo, além do apoio da Napier University, que continua sendo acionista.

A empresa construiu a primeira biorrefinaria da Escócia no ano passado, com capacidade para converter 50.000 toneladas de subprodutos de uísque em bioquímicos. Tangney diz que a planta estará totalmente operacional ainda este ano, uma vez que os testes estejam completos.